O olho seco ou ceratoconjuntivite sicca é uma alteração da superfície ocular que causa ardor, queimação e sensação de corpo estranho. Esse quadro pode levar a um processo de lacrimejamento mais intenso que se baseia em alterações de hormônios, evaporação e lubrificação, metaplasia celular e infecções associadas.


O olho seco pode estar associado às doenças que causam conjuntivite cicatricial grave, como o eritema multiforme, tracoma e penfigóide cicatrizante. Também pode aparecer em decorrência de doenças sistêmicas como a esclerodermia, leucemia, linfoma e em condições de alacrimia congênita, aplasia de glândula lacrimal, disautonomia familiar, síndrome de Riley-Day, entre outras.

Esteja sempre atento!

Quais os sintomas do Olho Seco?

Em casos moderados, são habituais a sensação de corpo estranho, prurido, queimação e hiperemia conjuntival moderada. Os sintomas pioram à tarde ou à noite e são intensificados pelo vento, fumaça e leitura prolongada.
Quando se trata de um caso mais severo, ocorre turvação da visão, dor, fotofobia e incapacidade de produção lacrimal.

desenho indicando o duto lacrimal e glândula lacrimal

O tratamento do Olho Seco

Na maioria dos casos, os sintomas podem ser controlados pela utilização de lágrimas artificiais e pomadas oftálmicas. Em outros, é indicada a aplicação de dispositivos liberadores de lágrimas artificiais no fundo do saco conjuntival.
Já nos mais severos, além dos agentes já citados anteriormente, pode-se utilizar a oclusão dos pontos lacrimais. Esse procedimento pode ser realizado por cauterização, laser, suturas, plugs e recobrimento do ponto lacrimal com conjuntiva do mesmo olho.