• Publicado em: Blog

O glaucoma é uma doença ocular que está entre as principais causas de cegueira irreversível no mundo. Quando detectado precocemente, as consequências podem ser evitadas. Ao deteriorar o nervo óptico, o glaucoma reduz o campo de visão do portador sem que este sinta dor ou incômodo. A cegueira definitiva ocorre quando o nervo é destruído por completo. O glaucoma pode ser de três tipos: de ângulo aberto, de ângulo fechado, congênito ou secundário.

Quais as causas?

O aumento da pressão intra-ocular é uma das causas dessa doença. Além dele, também influenciam os fatores que alteram a circulação e nutrição do nervo óptico.

Como tratar?

Existem três tipos de tratamento para o glaucoma: uso de colírios, aplicação de laser e cirurgia. O uso de medicamentos é a primeira opção e normalmente, a mais indicada. Já o tratamento a laser, por sua vez, reduz a pressão através da drenagem do líquido. Seu efeito não é imediato, sendo o resultado final obtido em um período de, pelo menos, 4 a 6 semanas.

Em caso de glaucoma pigmentário, é indicada a iridomia com laser, que cria um pequeno orifício na íris e possibilita a livre circulação do humor aquoso ao longo dessa estrutura. Se os resultados desses processos não forem de acordo como desejado, utiliza-se a trabeculectomia, através da qual um compartimento é criado no olho para armazenar o humor aquoso que se desloca. Outra alternativa cirúrgica é a ciclofotoagulação endoscópica, que reduz a quantidade de líquido por meio de queimaduras na região onde é produzido.

Como prevenir?

O tratamento cirúrgico se inicia com um completo exame oftalmológico que se segue por uma seqüência de procedimentos pós-operatórios. A internação se dá, normalmente, no dia da operação e exceto em casos especiais, o paciente não deve se alimentar e nem tomar água no mesmo dia. Geralmente a cirurgia é feita com anestesia local e, no fim do processo, o paciente retorna ao seu quarto com um curativo sobre o olho operado.